Clubhouse

Afinal, o que é clubhouse?

Se acedeu a alguma rede social nos últimos dias, provavelmente já ouviu falar do Clubhouse, não é? A nova aplicação tem causado um alvoroço e despertando a curiosidade dos europeus. E nada menos! A aura de exclusividade e a presença de grandes figuras mundiais tem colaborado para transformar o Clubhouse na maior notícia do momento.

Mas, afinal, o que é o Clubhouse? Confira o artigo AGX e saiba tudo sobre a nova rede social.

Entenda o que é o Clubhouse e conheça as suas características

Se tivesses ido nas notícias e pensasses “Outra rede social? Preciso mesmo disto? “, Saiba que o Clubhouse tem uma proposta completamente diferente dos outros concorrentes.

Em primeiro lugar, podemos definir o Clubhouse como uma espécie de podcast ao vivo. Os utilizadores podem aceder às salas em qualquer tópico e acompanhar as discussões como ouvintes. Ou, se preferir, pode participar ativamente conversando com outros participantes.

Ao registar-se na aplicação, pode escolher o seu nome de utilizador e os assuntos em que está interessado. Mais tarde, serão apresentadas como sugestões de salas. O Clubhouse tem uma linha temporal com as salas que estão acontecendo ao vivo e permite-lhe encontrar conversas agendadas para acontecer em outros momentos.

As salas de chat são temáticas e podem ser filtradas de acordo com as preferências de cada utilizador, permitindo assim uma experiência personalizada.

Para interagir como altifalantes, os utilizadores precisam de pedir autorização ao moderador da sala, semelhante a aplicações de reunião como o Zoom, utilizando o botão “Levante a mão”. Desta forma, é possível organizar os debates e permitir a participação de todas as partes interessadas.

A maior diferença da aplicação é que tudo acontece por voz. Não existe possibilidade de comunicação por texto, e não existem gostos ou partilhas.

Dependendo do tipo de sala, os conteúdos estão abertos, ou seja, qualquer utilizador que entre pode ouvir o que está a ser dito e dar a sua opinião. No entanto, também é possível criar salas privadas para interagir apenas com amigos e conhecidos.

Portanto, existem três opções para configurar as salas: as públicas, onde qualquer um pode participar; os sociais, onde apenas entram pessoas autorizadas; e privados, onde só os convidados pelo moderador podem ter acesso.

Interação com grandes personalidades

No entanto, o que tem gerado um frenesim sobre a nova rede social é a presença e a possibilidade de interagir com grandes personalidades, como Mark Zuckerberg e Elon Musk, por exemplo.

Ambos se juntaram a salas de chat na app e já se declararam utilizadores da funcionalidade. Por outras palavras, pode “trocar uma ideia” com celebridades, nomes de referência na sua área de atividade e pessoas anónimas, num só local.

Gatilho de exclusividade

O Clubhouse tem mais um fator que desperta a curiosidade de todos – e vontade: exclusividade. Até agora, só os hóspedes podem entrar na rede. Cada novo utilizador recebe apenas dois convites para distribuir entre amigos, tornando a aplicação um local extremamente exclusivo.

É importante notar que é responsável por quem se refere. O seu perfil está ligado ao perfil das pessoas que convidou, e a ligação é pública para todos verem. Assim, se o seu hóspede tiver um comportamento que viole os termos de uso da plataforma, tanto ele como você, por ter indicado, podem ser banidos.

Além disso, até ao momento apenas os utilizadores do iOS têm acesso à aplicação.

O Clubhouse em números: possível futuro da rede social

Apesar de estar a ganhar espaço em Portugal apenas agora, a aplicação existe desde abril de 2020 e já conta com cerca de 6 milhões de utilizadores. Além disso, está avaliado em cerca de mil milhões de dólares.

Então, o que podemos esperar do futuro da rede social? É muito cedo para dizer se se tornará a mais nova febre do mundo, no entanto, os criadores, Paul Davison e Rohan Seth, antigos funcionários da Google, têm grandes planos para isso.

Em entrevista ao site da CNBC, no dia 1 de fevereiro, o CEO da rede social, Paul Davison, explicou que estão à procura de formas de rentabilizar a plataforma. O Clubhouse é um novo caminho para os criadores de conteúdo?

De acordo com Paul, os utilizadores poderão ganhar dinheiro através de um sistema semelhante ao crowdfunding, e o criador da sala poderá receber o valor diretamente do público que o acompanha.

“Queremos permitir que eles [utilizadores criadores de conteúdos] possam ganhar a vida diretamente com o Clubhouse através de subscrições, eventos de bilhetes e receber dicas de ouvintes que ficarão felizes em poder pagá-los diretamente pelas experiências que estão a criar”, relatou Paul à CNBC.

Até ao momento a plataforma não cobra os utilizadores pelos conteúdos e não tem anúncios.

O que é feito no Clubhouse, fica no Clubhouse!

A plataforma não permite a gravação ou armazenamento de conversas. Desta forma, nada do que é dito nas salas pode ser consultado ou ouvido novamente. Se tentar gravar o ecrã do seu telemóvel para armazenar discussões, a aplicação mostrará uma mensagem alertando-o de que isso viola os princípios da plataforma. Ou seja, tentar gravar conversas pode resultar numa proibição.

No entanto, esta política tem sido questionada por outras redes sociais e considerada controversa, uma vez que, se os atos de racismo, a homofobia, entre outros, acontecem nas conversas, não é possível consultar qualquer registo para punir os responsáveis.

Siga-nos no Clubhouse

Também entramos no Clubhouse, por isso, se o fizer, não se esqueça de nos seguir na @agxww. Adoraremos participar e trocar ideias sobre tudo. Se ainda não tiver um convite, contacte-nos através do Whatsapp no lado direito do ecrã, e teremos todo o gosto em convidá-lo.

clubhouse agx

Então, agora que conhece melhor a plataforma, o que achou da ideia da aplicação? Vai entrar quando receber um convite? Diga-nos nos comentários!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top